Importância da Lubrificação

Existe uma série de normalizações básicas que resultam para qualquer técnica de lubrificação de máquinas e estão elaboradas principalmente nos institutos e organizações seguintes:

 

API . American Petroleum Institute

ASTM . American Society for Testing materials

MIL . Norma del Ejercito Americano

IP . Institute of Petroleum

DIN . Normas de Ingenieria Alemanas

INTA . Instituto Nacional de técnicas Aerospacial (España)

CMA . Chemical Manufactures Association

ISO . Organismo Internacional de Normalizacion

CCMC. Comité de Constructores de Automóvilles del mercado Común

ACEA. Asociación de Fabricantes Europeos de Automívilles

NLGI. Nacional Lubricating Grease Institute

 

Relação das principais razões da lubrificação em máquinas

-Evitar o desgaste de peças em contacto por diminuição do coeficiente do atrito.

-Arrefecer as peças em contacto, devido ao lubrificação, sendo 25% um melhor equilíbrio térmico.

-Limpa as zonas percorridas pelo o lubrificante, pois este elimina as matérias residuais.

-Veda o furo entre as duas peças produzindo uma vedação útil.

– Protege as peças contra oxidação e agentes exteriores.

 

UM DOS OBJETIVOS DA TRIBOLOGIA, É O CONTROLO DO ATRITO E DO DESGASTE

 

Características dos lubrificantes

-Viscosidade

-Índice de viscosidade

-Densidade

-Untuosidade

-Ponto de inflamação e ponto de combustão

-Ponto de fluidez e ponto de congelação

-Impurezas

-Coloração

-Acidez

-Cinzas

-Carvão

 

Teoria da lubrificação

A lubrificação estabelece-se em função da tolerância existente entre duas peças a lubrificar.

Ao mesmo tempo deve esperar a formação de uma película de lubrificante, ( ver figuras), sempre que a viscosidade é demais, as propriedades do lubrificante são as mais adequadas para o fim requerido. A lubrificação pretende que a fração de desgaste entre peças em contacto, mais próximas, se elimine, A tecnologia avançada em lubrificação exige a participação de múltiplas técnicas, entre as que figuram, fundamentalmente, a química dos petróleos, da mecânica dos fluidos e da hidromecânica.

 

Aditivos

As propriedades originais dos lubrificantes não são suficiente para da o máximo rendimento em toda as circunstancias de emprego, porque, em geral, as destilações fraccionadas dos hidrocarbonetos não surgem lubrificantes completos, que tenham as melhores condições de untuosidade, para isso a Spanjaard disponibiliza uma série de produtos:

1.Inibidores / Antioxidantes – Anticorrosivos

2.Melhoradores / Viscosidade / Congelação / Anti Espumantes / Extrema precisão

3.Acondicionadores / Bisulfureto de Molibdénio / Grafite

 

Bisulfureto de molibdénio

O Bisulfureto de Molibdénio tem uma granulometria algo inferior a deu grafito (0,001mm) e um coeficiente de atrito de 0,05 a 0,09, as propriedades de lubrificação do bisulfureto de Molibdénio radicam na debilidade das moléculas de enxofre, que se dissociam das moléculas de molibdénio, que ficam envoltas pelas de enxofre, com estrutura laminar.

 

Massas

As massas estão formadas por uma dispersão íntima de um sabão em óleo mineral, a estabilidade de uma massa radica em que o sabão actue como suporte a esponja do óleo base, ambos devem reunir uma série de propriedades para que não interfiram na sua natureza físico – químicas. As massas são necessárias para lubrificar certas partes do mecanismo donde não podem entrar, um fluido. As massas classificam-se em função da natureza do sabão que serve de base as principais, são as seguintes:

  1. Calcicas;
  2. Sódicas;
  3. De Litio;
  4. Mistas Ca + Na, Ca + Li, Al, Li + Pb e MoS2, ( Bisulfureto de Molibdénio).

 

a) Óleos Sintéticos/Bases Sintéticas para massas

b) Características das massas

C) Consistência de uma massa

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close